Manjedoura

Manjedoura

De longe que a manhã fora prescrita:
as armas recolheram aos museus,
os campos revestiram-se de trigo,
o azul de novo coloriu o céu
do ar da boca e d'outros céus ainda,
aves voltaram feitas peregrinas,
na terra acasalaram mais os bichos,
no mar os peixes destruíram breus.
Noite do caramelo ameno dia
chegado ao lume do madeiro ardido:
véu rompido onde a paz vai reviver.
De boa e sã vontade se cobriu
o mundo: os homens todos já se uniram
e nem um Deus precisa de nascer.

António Salvado

Compartilhe


Código HTML:

Veja mais cartões, recados, mensagens, poemas de NATAL - Poemas

Comentários